sexta-feira, 2 de maio de 2014

Sobre meus 15 minutos de fama com a morte do Senna

Eu me lembro de muitas coisas que aconteceram naquele 1º de maio de 1994 e os dias que se sucederam também, apesar de ter apenas 4 anos.

Eu estava na sala de TV com meu pai, e assistíamos a Fórmula 1. Ele com mais afinco do que eu, com certeza.

E então ele solta a frase que me marcou muito e nem sei por quê:
 - “Ih! Bateu!”.

Pra minha cabeça de criança tinha sido só mais uma batida de corrida. Meu pai repetia sem parar: “ele morreu, ele morreu”.

Depois disso minha memória já vai direto para o enterro dele. Eu morava no Morumbi na época, na Rua Antonio Aggio nº 400, e da sacada do meu quarto eu via o cemitério do Morumbi, e consequentemente, o enterro do Senna.

Enquanto eu olhava tudo da minha varanda, a televisão na sala passava a cobertura de tudo o que acontecia, e pelo que me recordo, era o Galvão Bueno que narrava.

Eu e meu irmão estávamos animados com tudo aquilo. O helicóptero da Rede Globo estava perto do meu prédio e eu corri chamar o brother pra dar tchau para as câmeras.

- Não, vamos fingir que estamos chorando, para eles nos filmarem, disse o irmão sábio de 6 anos.

Fomos para a sacana e começamos a fingir o choro. De repente eu escuto o Galvão falando:
- Veja o rosto triste das nossas crianças.

E foi assim que tive meus 15 minutos de fama =)




4 comentários:

  1. Sua cruel!
    Agora, precisa achar esse vídeo para vermos essa cena.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir